Coronavírus no Norte: Visitas suspensas a hospitais, lares, e prisões

As visitas a hospitais, lares e estabelecimentos prisionais da região Norte foram suspensas temporariamente devido à epidemia Covid-19, anunciou hoje a ministra da Saúde, Marta Temido, numa conferência de imprensa em Lisboa.

“Ficam temporariamente suspensas as visitas nos hospitais, lares e estabelecimentos prisionais na região Norte”, avançou a ministra da Saúde, indicando que a evolução do surto epidemiológico exige uma maior proatividade, nomeadamente no encerramento de algumas instituições como escolas e universidades.

A ministra recomendou também o adiamento de eventos sociais.

“Dado que se aguardam ainda resultados de casos suspeitos validados em investigação, o risco que levou à determinação destas medidas será reavaliado nas próximas horas, durante o dia de amanhã [domingo]”, indicou Marta Temido, assegurando o anúncio “das medidas julgadas necessárias oportunamente”.

Portugal regista 21 casos de infeção pelo coronavírus que causa a doença Covid-19, mais oito do que os contabilizados na sexta-feira, anunciou hoje a Direção-Geral da Saúde (DGS).

De acordo com o boletim sobre a situação epidemiológica em Portugal, divulgado ao início da noite pela DGS, há 43 novos casos suspeitos, num total de 224 registados desde o início do ano, estando 47 a aguardar resultado laboratorial.

A região Norte é a que regista mais casos confirmados de infeção, com 15, seguindo-se a Grande Lisboa, com cinco, e um no Centro do país.

O mapa disponibilizado pela DGS não regista casos no Alentejo, Algarve e Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira.

Hoje, o Centro Hospitalar de São João, no Porto, anunciou a instalação de um hospital de campanha “para responder em exclusividade ao Covid-19”, sem adiantar quando entrará em funcionamento e a capacidade do mesmo.

O surto de Covid-19, detetado em dezembro na China, já provocou mais de 3.500 mortos entre mais de 101 mil pessoas infetadas em pelo menos 94 países.

Com base no número mundial de infetados, a taxa de letalidade é de 3,4%, sendo que até ao momento a maioria já recuperou.