Continental enfrenta um dos anos mais difíceis da sua história

A empresa Continental Mabor, de Lousado, está a produzir apenas a 40% do que seria normal numa semana de trabalho. Os trabalhadores estão a laborar por turnos, com os de fim de semana incluídos na semana de trabalho.

Segundo o administrador da empresa, Pedro Carreira, tal não se deve ao Plano de Contingência para combater a covid-19, mas por causa da redução das encomendas. «Deve-se a uma quebra brusca e clara do setor automóvel», reconhece o administrador da empresa, em declarações à imprensa, esta segunda-feira, durante uma visita do Primeiro-Ministro e do Ministro da Economia à empresa de Famalicão.

Apesar de estarem a trabalhar com dificuldades e de reconhecer que «este será um dos anos mais difíceis da história desta empresa», Pedro Carreira garante que os postos de trabalho (a termo certo ou a prazo) são para manter. As perspetivas de regressar aos planos iniciais da empresa só lá para o ano de 2021.

Recorde-se que a empresa, com cerca de 2.300 trabalhadores, esteve parada 15 dias, mas desde abril que retomou a laboração de forma parcial. Metade dos trabalhadores cumpre duas semanas e a outra metade fica em casa em lay-off. Depois invertem-se os papéis. Desta forma garante a quarentena dos trabalhadores e o despiste da doença.

O Ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, disse que a visita à Continental e a outras empresas do Norte serviu para analisar no terreno como estão as empresas a regressar à normalidade, após um período de paragem devido ao covid-19.

«Viemos ver como uma grande exportadora retoma a laboração, mas também perceber como se estão a adaptar a um novo conceito de trabalho e a regras de higiene, saúde e segurança no trabalho que têm de ser mais exigentes», explicou o Ministro.

Most Popular Topics

Editor Picks