COLIGAÇÃO PSD/CDS-PP APRESENTA-SE AINDA SEM CANDIDATOS

A coligação PSD/CDS-PP renovou votos para o próximo mandato autárquico mas não apresentou candidatos. Paulo Cunha, líder da concelhia do PSD e atual presidente de Câmara, disse que o primeiro passo era o acordo entre os dois partidos; depois virão as políticas que diz que devem assentar em áreas como a educação, emprego e empreendedorismo e ação social; só depois serão escolhidos os intérpretes dessas políticas. Acrescentou que não há nenhum candidato óbvio. «A minha recandidatura é um cenário que se pode colocar a seu tempo, mas neste momento não está colocado. Estamos muito concentrados na governação autárquica», afirmou Paulo Cunha, admitindo que «tem sido muito gratificante servir os famalicenses. É uma sensação boa e não escondo a minha atracão pela função autárquica».

Paulo Cunha não falou em nomes para as autárquicas mas traçou o perfil. «Queremos pessoas que tenham os dois pés em Vila Nova de Famalicão, que estejam disponíveis para a tempo integral defender os interesses do nosso concelho de forma intransigente. O nosso concelho não se compadece com atividades a meio tempo, com ações a título parcial; o nosso concelho exige disponibilidade total; merece ser representado por mulheres e homens que todos os dias só pensem em Famalicão, só estejam preocupados com o nosso futuro e que olhem para Famalicão como fim último da sua ação», afirmou. Não incluiu Nuno Melo, a quem classificou como uma cidadão europeu com coração em Famalicão, e que gostava de continuar a ver à frente da Assembleia Municipal.

A apresentação do acordo de coligação entre PSD/CDS-PP ocorreu no auditório da Fundação Cupertino de Miranda, centro da cidade, ao final da tarde de segunda-feira, com a presença de militantes e simpatizantes das duas forças partidárias.

O líder da concelhia do CDS-PP, Ricardo Mendes, disse que o acordo foi fácil, «e nem precisou de ser negociado», porque os dois partidos têm um só interesse que é Vila Nova de Famalicão. O também vice-presidente de Câmara frisou que foi em nome desse trabalho conjunto que o concelho de Famalicão sedimentou a sua posição como concelho familiarmente responsável, como concelho bom para viver e como a maior força exportadora do Norte.

Mas o desafio mantém-se, adiantou Ricardo Mendes. «E se a evolução é notável e há uma grande confiança e participação cívica», esse é um caminho para continuar, frisou.

Paulo Cunha também fez uma espécie de balanço dos últimos quatro anos de mandato. Começou por elogiar a gestão de Armindo Costa. «Encontramos uma Câmara com saúde financeira, uma Câmara que estava bem governada. Herdamos um legado responsabilizante e quatro anos depois podemos dizer que cumprimos esse legado». O líder do PSD considera, mesmo, que os compromissos de 2013 foram superados e descreve qual foi a estratégia: «temos uma situação de união no concelho em torno dos objetivos e isto só aconteceu porque cultivamos esta relação com as pessoas. Quisemos estar próximos, disponíveis e dialogantes».

Depois de um mandato na oposição e quatro no poder, a coligação PSD/CDS-PP renova votos para as autárquicas de 1 de Outubro de 2017. As quatro vitórias (2001, 2005, 2009 e 2013) foram com maioria absoluta.

 

Famalicão mantém-se como município mais exportador do Norte e terceiro no país

A última edição do Anuário Estatístico da Região Norte, editado no final do ano, mostra que o município de Famalicão manteve, em 2020, como o mais exportador a norte e o terceiro no país, logo a seguir a Lisboa e Palmela.

O concelho tem, ainda, um saldo positivo da balança comercial de 765 milhões de euros (m€), resultado de uma diferença entre as exportações (1.746.464 m€) e as importações (981.278 m€). É, desta forma, um dos municípios que mais contributo líquido dá para a economia nacional.

«Apesar da tendência de queda da economia devido à pandemia, Vila Nova de Famalicão conseguiu manter-se como um dos municípios que mais contribui para a economia nacional. Somos um território que produz, que trabalha, que não baixa os braços», refere, a propósito, o presidente da Câmara Municipal, Mário Passos.

Para o futuro, o autarca mantém o otimismo e acredita que «com a capacidade de resiliência e empreendedorismo dos famalicenses vamos conseguir ultrapassar as adversidades provocadas por esta pandemia e continuar no rumo da inovação e do pioneirismo industrial do país».

No que diz respeito ao peso dos vários setores nas exportações do município, o têxtil e vestuário continuam a representar a maior fatia das exportações, seguindo-se o setor automóvel, metalomecânica e, por fim, o agroalimentar.

Entretanto, de acordo com os dados mensais preliminares do Instituto Nacional de Estatística (INE), as exportações das empresas famalicenses acumularam até novembro de 2021 um crescimento de 23,86% face ao mesmo período de 2020 e de 4,12% face a 2019, o que vem trazer um novo alento ao tecido empresarial. A nível nacional e no que diz respeito ao setor têxtil e vestuário, as exportações acumularam até outubro um crescimento de 15,2% face ao mesmo período de 2020 e de 1,5% face a 2019.

Refira-se que aquela que é a principal economia do Norte de Portugal tem nas suas fileiras perto de 15 000 empresas, que representam um volume de negócios na ordem dos cinco mil milhões de euros. Destas, perto de duas mil sociedades são da indústria transformadora que dão um contributo líquido importante para as contas nacionais e para a empregabilidade do país.

É oficial: Governo autoriza que isolados saiam de casa mas só para ir votar

Já é oficial, as pessoas que estiverem em isolamento no dia das eleições legislativas, marcadas para 30 deste mês, vão poder sair para exercer o seu direito de voto.

A informação foi avançada pela ministra Francisca Van Dunem em conferência de imprensa realizada ao início da tarde desta quarta-feira.

Famalicão: Hospital dá formação sobre o parto

O serviço de Obstetrícia do Centro Hospitalar do Médio Ave organizou uma formação denominada “Parir em movimento – anatomia funcional do parto fisiológico”, na qual participaram 30 profissionais de saúde, entre eles médicos obstetras, enfermeiros especialistas e uma fisioterapeuta.

O evento «dinâmico, prático e sensorial» teve a duração de 21 horas, e decorreu nos dias 11, 12 e 13 de janeiro, na Casa do Território.

A instituição quis promover a proximidade, reforçar a interação e uniformizar a linguagem no que diz respeito ao cuidado humanizado no parto. Pretendeu dotar os profissionais de conhecimentos relativos à mobilidade da pelve, à importância do movimento durante o trabalho de parto e a liberdade de escolha pela mulher da melhor posição para parir com o mínimo de intervenção possível. Desta forma, esta formação veio cimentar a transformação que está em curso no Serviço de Obstetrícia do CHMA, em direção à humanização do parto.

Para dar este curso foram convidados quatro enfermeiros especialistas em saúde materna e obstetrícia dos ACES de Famalicão, Santo Tirso e Trofa.

Uma das convidadas foi a catalã Núria Vives, que é licenciada em Pedagogia pela Universidade Autónoma de Barcelona e pela Universidade La Sorbonne, de Paris e terapeuta Psicomotora, pela Universidade Central de Barcelona. Núria é também membro do Sensory Awareness Leaders Guild. Estuda e colabora com Blandine Calais-Germain há trinta e cinco anos, com quem escreveu o livro “Parir en Movimiento” e participa, desde 2007, na implementação dos novos protocolos de “Estrategia de Atención al Parto Normal”, do Ministério da Saúde espanhol e em diferentes comunidades e hospitais de Espanha.

O CHMA pretende continuar a incentivar a formação dos seus profissionais, sendo que no ano de 2022 estão previstas, ainda no 1º semestre, mais duas formações para os mesmos.

Famalicão: DIGNAmente é o novo projeto da Clínica Marca da Mente

A Clínica Marca da Mente destaca-se, mais uma vez, pela diversidade de serviços e pela inovação na assistência que disponibiliza à comunidade.

É neste sentido e de forma a apoiar as famílias que tenham idosos a seu cargo e que já não conseguem individualmente prestar o auxílio e as condições convenientes ao avanço da idade, que o novo Projeto DIGNAmente encontra o seu propósito.

Assim, comprometemo-nos a apoiar na definição de soluções viáveis e adequadas ao perfil do idoso e da sua família, facultando aconselhamento e orientação mas, essencialmente, uma resposta concreta com base nas suas necessidades e expectativas.

Para que isto seja possível contamos com a colaboração de entidades parceiras que partilham do mesmo interesse – melhor qualidade de vida para os seniores.

Se efetivamente procura ajuda especializada para melhor encaminhar o processo de envelhecimento do seu familiar, irá descobrir na Clínica Marca da Mente uma profissional com larga experiência na área, com um vasto currículo de trabalho com idosos, famílias e de gestão técnica em contexto institucional.

Mais uma vez, estamos aqui para o servir.

Famalicão: Covid-19 afeta Transdev mas transporte público escolar está assegurado

A empresa de transportes Transdev, com quem a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão tem assegurado o serviço de transporte público rodoviário, está confrontada com um crescente número de colaboradores infetados com Covid-19, designadamente, motoristas dos autocarros, que entraram em isolamento profilático.

Perante esta limitação, a Câmara Municipal e a transportadora estão a desenvolver esforços para que não existam perturbações nas carreiras que operam em Vila Nova de Famalicão, «sendo prioridade absoluta», a manutenção das carreiras de transporte escolar. Neste sentido, a autarquia tem preparado um plano de contingência pronto a ser ativado, caso a Transdev não consiga assegurar a totalidade do transporte público escolar.

O Município informa que, até ao momento, «ainda não foi afetada qualquer carreira que está ativa no concelho, contratada pela autarquia, e serão desenvolvidos todos os esforços para que isso não venha a acontecer». No entanto, reconhece, «tem existido supressão de algumas carreiras que atravessam o território concelhio ao abrigo do contrato da empresa de transportes com a CIM do AVE, nomeadamente, no circuito que liga Guimarães a Famalicão».

 

Parecer do Ministério Público sobre o recurso da Famalicão em Transição «é um avanço positivo»

A Associação Famalicão em Transição deu conhecimento, ao final da tarde desta terça-feira, em conferência de imprensa online, que foi emitido, no passado dia 17 de janeiro, «um parecer do Ministério Público que vem dar razão, no essencial, ao recurso apresentado quanto ao indeferimento da providência cautelar relativa à obra do CeNTI / CITEVE no Parque da Devesa», acreditando ser este «um avanço muito positivo no processo», para ser reposta, como afirma, «a legalidade em toda esta situação e, principalmente, na luta pela integridade do Parque da Devesa».

A Famalicão em Transição aguarda, agora, a decisão do Tribunal Central Administrativo Norte quanto ao recurso apresentado, admitindo que é «expectável que possa ir no mesmo sentido deste parecer positivo, e podendo assim ser efetivada a providência cautelar, com o consequente parar da obra».

A associação, em agosto do ano passado, interpôs uma providência cautelar contra a construção do pavilhão no local das hortas urbanas. Mais tarde, já em novembro, o Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga declarou improcedente a providência cautelar face à declaração de interesse público declarado pela Câmara Municipal de Famalicão.