Chuva que tem caído continua a não ser suficiente para melhorar a situação do país

De acordo com o investigador e especialista em reabilitação de rios do Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR) da Universidade do Porto, Pedro Teiga, a chuva tem ajudado o país, mas não é, contudo, “suficiente para colmatar as necessidades hídricas de Portugal”, especialmente na zona sul.

“Se olharmos para os campos, vemos como já estão verdejantes e a responder positivamente a estas chuvas, [com alguns rios] que podem entrar em situação de cheia e causar inundações”, disse, em declarações à Lusa, o investigador.

No entanto, apesar da chuva que cai nas últimas semanas, os “cenários problemáticos” irão continuar, caso a utilização de água a nível doméstico, industrial e agrícola se mantenha igual à do ano passado, uma vez que esta situação não permite criar os armazenamentos necessários para os diferentes usos da água.

“O grande problema não é a seca em si, mas sim os padrões atuais de utilização e as pressões” exercidas sobre os cursos de água, referiu.

Teiga indicou que, apesar de tudo, os rios têm capacidade de responder de forma natural aos períodos de seca existentes, sendo que o problema é pior quando os núcleos são utilizados para a agricultura ou para sistemas industriais, ficando a balança do equilíbrio hídrico “altamente descompensada”, com “consequências graves nas espécies ribeirinhas”.

“Existem várias espécies de peixes e de macroinvertebrados a morrer ao longo das margens dos rios, devido ao stress hídrico e à falta de água, que este ano se fez notar não só a meio da encosta, mas também nas galerias ribeirinhas”, acrescentou.

Pedro Teiga disse ainda que a água das chuvas não deve ficar retida apenas nesses locais, pois também é necessária e importante para aumentar o caudal dos rios. “As descargas de poluição – que ocorreram muitas vezes em período de verão e em períodos de seca – e as pequenas lamas que ficam no fundo dos leitos precisam levantar e entrar na corrente, para que o rio faça o seu transporte, distribuição e autodepuração ao longo de todo o seu trajeto”, explicou o engenheiro.

Famalicão: Colheita de sangue em S. Miguel-o-Anjo

No dia 5 de outubro, a Associação de Dadores de Sangue de V. N. de Famalicão promove uma colheita de sangue no Centro Social de S. Miguel-o-Anjo, em Calendário. A iniciativa tem o apoio da Associação Moradores da Lage, Barreiros e S. Miguel e do Grupo de Jovens de S. Miguel desta localidade.

A colheita, aberta à população em geral, será realizada entre as 9 e as 12h30, pelo Instituto Português do Sangue e da Transplantação.

 

Depois de violento incêndio, começaram os trabalhos para recuperar o Bosque Encantado

A equipa do Bosque Encantado já iniciou os trabalhos para recuperar o espaço, depois de um violento incêndio, na última sexta-feira, ter destruído uma parte considerável daquela quinta de eventos.

Numa publicação nas redes sociais, o responsável do Bosque Encantado refere que a equipa trabalhará nos próximos dias na remoção de todo o material que foi destruído pelo incêndio. Após essa fase, seguem-se os trabalhos de reabilitação do espaço.

Recorde-se que, apesar de tudo, o Bosque Encantado conseguiu manter a atividade agendada, reencaminhando os clientes para uma outra quinta de eventos também localizada na vila de Ribeirão.

Famalicão: Alunos da Escola Conde de Arnoso em terceiro lugar no Torneio de Boccia DI do Eixo Atlântico

Os alunos da Escola Básica Conde de Arnoso, pertencente ao Agrupamento D. Maria II, classificaram-se no 3.º lugar no Torneio Internacional de Boccia DI do Eixo Atlântico, que decorreu no fim de semana passado, no pavilhão desportivo municipal de Vale S. Cosme.

Da Escola Conde de Arnoso participaram Gonçalo Sousa, Telmo Coutinho e João Marques, alunos do terceiro ciclo do ensino básico.

Da parte da manhã, os atletas participaram num circuito de habilidades motoras. A partir das 13h30m teve início a competição por equipas. A equipa da Escola Conde de Arnoso venceu todos os jogos do seu grupo e na fase de eliminatórias perdeu apenas nas meias-finais. No jogo, que deu o 3.º lugar, venceram o jogo por 4-3.

O evento contou com a participação de 30 equipas do norte de Portugal e da Galiza-Espanha.

 

Famalicão: Maria de Medeiros é a homenageada do Festival de Cinema Jovem

A atriz Maria de Medeiros é a homenageada da 9.ª edição do Ymotion – Festival de Cinema Jovem de Famalicão, que se realiza de 29 de novembro a 2 de dezembro. A distinção acontece no encerramento do festival, na Fundação Cupertino de Miranda.

«Há ícones e ícones. Maria de Medeiros é um dos nossos maiores. Uma atriz que também é um símbolo de resistência e de ativismo», refere o comissário do festival. Rui Pedro Tendinha salienta que a homenagem à atriz é «um reconhecimento mais do que justo, diria mesmo obrigatório, sobretudo como fonte de inspiração para todos os jovens que um dia sonhem em realizar ou protagonizar um filme».

Maira de Medeiros começou a sua carreira como atriz no teatro, mas foi o cinema que lhe deu maior notoriedade. Com 17 anos, estreou-se no grande ecrã com “Silvestre” (1982), de João César Monteiro, e participou em grandes produções americanas como “Henry & June” (1990), de Philip Kaufman ou “Pulp Fiction” (1994), de Quentin Tarantino, e produções espanholas como “Huevos de Oro” (1993) de Bigas Luna, “O detective e a morte” (1994) de Gonzalo Suarez ou “Airbag” (1997) de Juanma Bajo Ulloa, entre muitas outras.

Além de atriz, Maria de Medeiros tem trabalhos desenvolvidos como realizadora, sendo o mais conhecido o filme “Capitães de Abril” (2000), vencedor do Grande Prémio da Mostra Internacional de São Paulo no Brasil, e vários prémios do público em França. Para além desta longa-metragem, já realizou outras cinco, sendo “Aos Nossos Filhos” (2019), protagonizado pela atriz brasileira Marieta Severo, a sua mais recente obra cinematográfica.

Recorde-se que a competição de curtas-metragens da 9ª edição do Ymotion tem candidaturas abertas, para jovens dos 12 aos 35 anos, até dia 13 de outubro, através do site www.ymotion.org, onde também pode ser consultada a programação e mais informações sobre o festival de cinema jovem de Famalicão.

Inscrições para a Famalicão-Joane terminam esta quarta-feira

A vigésima terceira edição da prova Famalicão/Joane, uma organização da Associação Teatro Construção, vai para a estrada na manhã do próximo domingo. Para fazer parte desta festa do atletismo, pode inscrever-se, até esta quarta-feira, 27 de setembro, no site da Federação Portuguesa de Atletismo: https://fpacompeticoes.pt/.

Como é tradição, a prova de atletismo e o bike tour, começam na cidade de Famalicão, pela Estrada Nacional 206, tendo como destino o Parque da Ribeira, em Joane. Prática de atividade física, para profissionais e amadores, convívio e bem-estar são marcas distintivas desta jornada desportiva que junta milhares de praticantes.

O XXIII Famalicão-Joane começa às 10H15; a Caminhada Vermoim/Joane (4km), às 09H45 e o Bike Tour Famalicão-Joane sai da cidade pelas 11H15.

A ATC disponibiliza, de forma gratuita, o transporte dos atletas de Joane para a partida em Vila Nova de Famalicão, junto à Rotunda da Paz. No final da prova, após a chegada do último atleta à vila de Joane também haverá transporte de regresso a Famalicão.

Partidas dos autocarros (Parque da Ribeira – Joane); Joane – Vermoim: 8:00h; 8:15h e 8:30h; Joane – Famalicão: 8.30H; 8:45 e 9:00h. No final da prova, Joane – Famalicão: 12:30h (horário previsível).

Ao longo de todos estes anos de organização do Famalicão – Joane, a ATC tem incentivado crianças, jovens, adultos e idosos à prática desportiva, com o propósito «de chamar até nós pessoas de idades diferentes. Queremos aproximar valores e culturas diferentes, todos unidos para um estilo de vida saudável», porque o exercício «tem tudo para ser uma fonte de prazer, de convívio e de descoberta de nós mesmos». Por isso, quer seja a correr, a andar ou a pedalar, «participe na maior festa do desporto! Corte a sua meta, invista na saúde, invista em movimento», apela a ATC.

Meia Maratona de Famalicão já conta com mais de 1 500 inscritos

São já mais de 1500 os inscritos na 9.ª edição da Meia e Mini Maratona de Famalicão, prova promovida pelo município de Vila Nova de Famalicão, com organização técnica da Runporto, e que se realiza a 15 de outubro, com partida marcada para as 09h30 na Avenida do Brasil.

A corrida de 21km cruza-se com alguns dos mais belos e emblemáticas espaços da cidade de Vila Nova de Famalicão, com boa parte do circuito desenhado no perímetro urbano, seguindo depois a corrida pelas estradas nacionais 206 (Famalicão-Guimarães) e 309 (Vale S.Martinho-Braga) até Vale S.Cosme, regressando em sentido inverso até à meta no parque de estacionamento do Citeve, junto ao Parque da Devesa.

E se o percurso de 21km exige uma atempada preparação, para aqueles que só agora se decidam a participar há a Mini Maratona, que pode ser feita a correr ou a caminhar, num percurso de 10 quilómetros, na sua totalidade feito pelas ruas da cidade, e à semelhança da Meia Maratona, tem também início na Avenida Brasil e término junto ao Parque da Devesa.

Refira-se que até ao dia 30 de setembro, as inscrições para a Meia Maratona têm o custo de 16 euros, subindo para 17 euros para as inscrições feitas até 10 de outubro. As inscrições de última hora, no dia 14 de outubro, têm custo de 20 euros. Para os participantes da Mini Maratona, as inscrições até ao dia 30 de setembro têm o custo de 11 euros, subindo para 12 euros para inscrições feitas até 10 de outubro. As inscrições feitas a 14 de outubro têm um custo de 15 euros.

Inscrições e mais informações no site da Runporto em www.runporto.com