Chuva que tem caído continua a não ser suficiente para melhorar a situação do país

De acordo com o investigador e especialista em reabilitação de rios do Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR) da Universidade do Porto, Pedro Teiga, a chuva tem ajudado o país, mas não é, contudo, “suficiente para colmatar as necessidades hídricas de Portugal”, especialmente na zona sul.

“Se olharmos para os campos, vemos como já estão verdejantes e a responder positivamente a estas chuvas, [com alguns rios] que podem entrar em situação de cheia e causar inundações”, disse, em declarações à Lusa, o investigador.

No entanto, apesar da chuva que cai nas últimas semanas, os “cenários problemáticos” irão continuar, caso a utilização de água a nível doméstico, industrial e agrícola se mantenha igual à do ano passado, uma vez que esta situação não permite criar os armazenamentos necessários para os diferentes usos da água.

“O grande problema não é a seca em si, mas sim os padrões atuais de utilização e as pressões” exercidas sobre os cursos de água, referiu.

Teiga indicou que, apesar de tudo, os rios têm capacidade de responder de forma natural aos períodos de seca existentes, sendo que o problema é pior quando os núcleos são utilizados para a agricultura ou para sistemas industriais, ficando a balança do equilíbrio hídrico “altamente descompensada”, com “consequências graves nas espécies ribeirinhas”.

“Existem várias espécies de peixes e de macroinvertebrados a morrer ao longo das margens dos rios, devido ao stress hídrico e à falta de água, que este ano se fez notar não só a meio da encosta, mas também nas galerias ribeirinhas”, acrescentou.

Pedro Teiga disse ainda que a água das chuvas não deve ficar retida apenas nesses locais, pois também é necessária e importante para aumentar o caudal dos rios. “As descargas de poluição – que ocorreram muitas vezes em período de verão e em períodos de seca – e as pequenas lamas que ficam no fundo dos leitos precisam levantar e entrar na corrente, para que o rio faça o seu transporte, distribuição e autodepuração ao longo de todo o seu trajeto”, explicou o engenheiro.

Vídeo: Famalicense Maria Gil do The Voice canta para Simone de Oliveira e deixa-a emocionada

A famalicense que venceu a mais recente edição do programa “The Voice Kids”, Maria Gil, participou este domingo na primeira gala do “The Voice Gerações”.

A jovem, de apenas 14 anos, protagonizou, em conjunto com outros colegas, um dos pontos altos do programa, ao interpretar ” Sol de Inverno” de Simone de Oliveira.

A cantora e atriz de 84 anos emocionou-se com a homenagem que lhe foi feita.

Veja o momento:

Famalicão: Acidente condiciona o trânsito na N206 em Outiz

Um acidente de viação, ocorrido cerca das 10h30 desta segunda-feira, está a condicionar a normal circulação automóvel na N206, em Vila Nova de Famalicão.

O sinistro deu-se em plena Avenida Dom Afonso III, na entrada da freguesia de Outiz.

Conforme é visível na imagem enviada à Cidade Hoje, há um veículo que se encontra parado na faixa do sentido inverso.

Não há informação da existência de feridos.

Famalicão: Hoje há festa de verão e da cerveja em Sezures

Na tarde deste domingo, realiza-se a festa de verão e da cerveja, na Capela de S.Vicente em Sezures, Famalicão.

A iniciativa arranca às 15h com muita animação musical, a começar com grupos de concertinas e a prosseguir com DJ.

Simultaneamente, no mesmo recinto, decorre o primeiro encontro de concertinas.

 

 

 

FC Famalicão perde troféu Teresa Herrera nas grandes penalidades

A equipa do FC Famalicão perdeu, este sábado, o troféu Teresa Herrera, prestigiada competição que, no plano feminino, vai na décima edição.

A equipa famalicense esteve a vencer o RC Deportivo de La Coruña por 2-0, mas a equipa espanhola logrou chegar ao empate que prevaleceu até ao final do tempo regulamentar.

A decisão foi para as grandes penalidades e o Desportivo foi mais certeiro, com vitória 5-3 sobre as famalicenses.

Famalicão: Autarquia conta com equipamento para tratar do novo piso do centro da cidade

Para fazer face a todas as exigências em termos de limpeza do renovado centro urbano, a Câmara Municipal de Famalicão passa a contar com um novo equipamento, um Aspirador Urbano Elétrico.

Numa nota publicada nas redes sociais, a autarquia refere que este é um equipamento amigo do ambiente, com capacidade de armazenamento de 240 litros, apto para lavagens de manchas e sujidade, bem como aspiração de resíduos sólidos de pequena dimensão.