Centro Hospitalar de Famalicão reduz cirurgia programada para atender os doentes covid

O Centro Hospitalar do Médio Ave viu-se obrigado a transferir doentes covid e doentes com outras patologias para Hospitais de Coimbra e Lisboa. Isto aconteceu porque o Hospital de Famalicão está com quase uma centena de internados com covid-19 e porque a natural transferências para Braga e Porto está difícil uma vez que também estes hospitais estão saturados. «Tivemos que encontrar com o Ministério da Saúde e com a ARS Norte soluções alternativas noutros hospitais e é o que temos estado a fazer», revela o presidente do Conselho de Administração do Hospital, António Barbosa.

A transferência de doentes permite que o Hospital possa acomodar aqueles que todos os dias vão chegando ao Hospital de Famalicão.

António Barbosa assegura que o Hospital ainda tem capacidade para acomodar mais doentes, mas alerta que a partir de um determinado patamar começam a ficar em causa outros serviços. «Quando ultrapassamos os 70 doentes internados começamos a invadir outras áreas. Um exemplo, há cerca de duas ou três semanas tivemos que reduzir a cirurgia programada não prioritária, que precisa de internamento; a cirurgia de ambulatório continua», destaca o presidente do conselho de administração do Hospital.