“Violência [doméstica]” é a palavra do ano 2019

“Violência [doméstica]” recolheu 27,7% dos mais de 20.000 votos registados, divulgou hoje a Porto Editora.

A escolha é justificada pela Porto Editora “em consequência dos inúmeros casos que foram sendo conhecidos ao longo do ano e que, infelizmente, resultaram em vítimas mortais – de acordo com notícias recentes, foram 35 mulheres, homens e crianças assassinadas em Portugal no contexto de violência doméstica só no ano passado”.

Em segundo lugar, a apenas uma décima de distância ficou a palavra “sustentabilidade”, que “liderou a votação desde o início até praticamente o final da votação, ficando assim notória a crescente preocupação que o tema da sustentabilidade desperta na sociedade portuguesa perante as sérias ameaças que pendem sobre a vida coletiva em consequência das alterações climáticas”, segundo comunicado da editora.

Outro tema “que não passou ao lado dos portugueses é o problema da difusão de informações falsas através das redes sociais”: ”desinformação” ficou em terceiro lugar com 13,8% dos votos.

A divulgação dos resultados da votação da “Palavra do Ano”, que esteve ‘online’ durante o passado mês de dezembro, foi feita esta manhã pela Porto Editora, na Biblioteca Municipal José Saramago, em Loures, nos arredores de Lisboa.

“Esta iniciativa vem sublinhar o poder das palavras ao refletir o quotidiano da nossa sociedade em cada ano: os factos, os hábitos, os acontecimentos, as preocupações coletivas”, refere a editora, promotora da iniciativa, numa nota.

Os dados mais recentes da Polícia Judiciária, divulgados pelo Governo, revelaram que até ao dia 22 de novembro foram mortas 33 pessoas em contexto de violência doméstica, nomeadamente 25 mulheres, uma criança e sete homens, tendo também havido um aumento de mais de 10% das ocorrências participadas à GNR e à PSP entre janeiro e setembro de 2019, além de uma subida de cerca de 23% nos atendimentos na rede nacional de apoio às vítimas de violência doméstica.

Já dados divulgados pelo Observatório de Mulheres Assassinadas (OMA) da União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR) referem, que entre 1 de janeiro e 12 de novembro de 2019, foram mortas 28 mulheres, mais oito do que no ano anterior.

A estas mortes juntam-se as de duas outras mulheres; uma assassinada em Cascais, pelo companheiro, e outra mulher com cerca de 35 anos, cujo homicídio ocorreu nos últimos dias do ano em Leiria.

Aos três primeiros lugares, sucederam-se por ordem decrescente os termos “jerricã” com 7,5%, “nepotismo” com 5,7%, “seca”, com 4,3%, “trotinete”, com 4,2%, “lítio”, com 4,2%, “influenciador”, com 4%, e, em último lugar, “multipartidarismo” (1%).

A iniciativa Palavra do Ano teve a sua primeira edição em 2009, quando foi escolhido o termo “esmiuçar”.

“Violência [doméstica]” sucede a “enfermeiro”, escolhida em 2018, numa votação que contou com mais de 226 mil participações.

O ano passado a eleita foi a palavra “enfermeiro”, com 37,8% dos 226 mil votos validados, seguida de “professor”.

Nos anos anteriores as vencedoras foram ”esmiuçar” (2009), “vuvuzela” (2010), “austeridade” (2011), “entroikado” (2012), “bombeiro” (2013), “corrupção” (2014), “refugiado” (2015), “geringonça” (2016) e “incêndios” (2017).

D.Jorge Ortiga reage com apreensão ao encerramento da Rádio SIM do Grupo Renascença

O Arcebispo acolheu com apreensão e surpresa a decisão, por parte da gerência da Rádio Renascença, de “descontinuar” a Rádio SIM, emitida a partir da capital, com várias frequências pelo país.

“Não podemos deixar de pensar nos trabalhadores. Esperamos que para todos se encontrem soluções de harmonia com as determinações laborais, sabendo, à partida, que isso já foi devidamente equacionado. Aos colaboradores, que em espírito de gratuidade se entregaram de corpo e alma a este projecto, testemunhamos a nossa sincera gratidão e esperamos que continuem a trabalhar connosco em projectos que venham a ser concretizados.
A Rádio SIM era uma presença da Igreja na comunicação social com grande acolhimento por parte dos cristãos.
Num tempo em que cresce o número de idosos em Portugal, a Igreja deveria ser-lhes próxima, produzindo conteúdos que lhes proporcionassem companhia e os ajudassem, muito concretamente, a viver, aprofundar e a celebrar a fé. Bem como a serem informados sobre a actualidade da Igreja.
A Arquidiocese sempre favoreceu a unidade eclesial, consciente de que a vida acontece nas grandes cidades e nas periferias. Para fomentar esta experiência, foi renunciando a diversas iniciativas de índole local. Sabe que não é possível ser Igreja sem uma abertura à universalidade, começando por vivê-la a nível nacional. Disponibilizou gratuitamente, para o efeito, espaços e motivou as pessoas para uma generosidade em prol de um projecto de abrangência nacional.
Acreditamos na força e na importância dos meios de comunicação social. A Arquidiocese repensará a sua presença na rádio — sem perder muito tempo — e garantirá aos cristãos mais simples e humildes a escuta da voz da Igreja.”
D.Jorge Ortiga

A notícia foi debatida com o Cabido Metropolita que na Arquidiocese de Braga funciona como Colégio de Consultores, e o Cabido gostaria, de igual modo, de marcar a sua incompreensão e tristeza pelo sucedido.

Fontes envolvidas no processo garantem que parte das frequências utilizadas até então pela Rádio SIM, deverão, em breve, passar a retransmitir a Mega Hits, a rádio do Grupo Renascença direcionada para o público jovem.

Facebook e Instagram já avisam se está perante uma notícia falsa

As redes sociais facebook e instagram já estão capazes de alertar o utilizador no caso deste estar perante uma notícia falsa.

De acordo com o Jornal de Notícias, o sistema de alerta já trabalha em diversos países, tendo entrado em funcionamento muito recentemente em Portugal.

Estas redes sociais contam com uma equipa de revisores que trabalham como pesquisadores para encontrar informação capaz de contradizer qualquer publicação suspeita. Essa informação será depois transmitida a fact-checkers que vão decidir se a mesma permanece online.

Caso se confirme que está perante uma informação falsa, um alerta é lhe mostrado, como comprova a imagem:

Novas matrículas podem deixar de ter mês e ano do automóvel

“Importa alertar que as alterações à referida regulamentação decorrentes da introdução da nova série de número de matrícula poderem vir a contemplar, no caso das chapas destinadas a automóveis, a eliminação da inscrição do ano e mês da primeira matrícula e remoção da correspondente área de cor amarelo”, pode ler-se numa mensagem datada de outubro, a que a agência Lusa teve acesso.

As alterações à regulamentação dizem respeito à mudança da série de matrículas 00-AA-00 para AA-00-AA, cuja alteração já foi aprovada em Conselho de Ministros em 19 de setembro de 2019.

Na mensagem do IMT a que a Lusa teve acesso, a entidade referiu que ainda não era possível adiantar informação adicional sobre a matéria “até ser conhecida a versão final do diploma por via da respetiva publicação em Diário da República”.

Na sequência da incerteza, o regulador dos transportes rodoviários sugeriu aos agentes do setor que “a gestão de ‘stocks’ de chapas de matrículas destinadas às respetivas tipologias de veículos tenha em consideração o referido cenário”.

A Lusa contactou o IMT e aguarda uma resposta.

Em 19 de setembro, foi aprovado o diploma que altera o modelo de chapas de matrícula, introduzindo novas combinações de carateres e um formato que harmoniza o modelo português com o da generalidade dos Estados da União Europeia.

O mesmo decreto-lei, “que altera o regulamento do número e chapa de matrícula, o código da estrada e o regulamento da habilitação legal para conduzir, o qual fora aprovado na anterior legislatura não tendo, contudo, concluído o respetivo procedimento legislativo”, foi reapreciado no último Conselho de Ministros antes do Natal, em 19 de dezembro.

De acordo com informação dada à Lusa pelo Ministério das Infraestruturas e Habitação, que tutela o setor e o IMT, a reapreciação deveu-se à realização das eleições legislativas de 06 de outubro.

A passagem para a nova série de matrículas, constituída por dois grupos de letras e outro central de dois algarismos, estava prevista para o final de 2019, mas as vendas do setor automóvel ainda não atingiram o fim da atual série.

Em 19 de setembro, o IMT disse à Lusa que à data ainda podiam ser emitidas 170 mil matrículas da série corrente.

Em dezembro de 2018, o instituto adiantou que no futuro passariam a ser utilizadas as letras Y,K e W (que até agora não eram utilizadas), na sequência do Acordo Ortográfico.

“Neste momento [19 de setembro], a atual série de matrículas ainda permite atribuir cerca de 170 mil matrículas, o que poderá corresponder a cerca de quatro meses, dependendo do ritmo da emissão de novas matrículas”, referiu a entidade, em resposta a perguntas da agência Lusa.

De acordo com o IMT, a nova série permitirá atribuir cerca de 28 milhões de matrículas.

A primeira matrícula foi registada a 01 de janeiro de 1937 e até 29 de fevereiro de 1992 foi usado o modelo “AA-00-00”. A partir de 01 de março de 1992 foi usado o modelo “00-00-AA”.

Depois desse, começou a utilizar-se a série “00-AA-00”, que permanece até hoje.

Na quinta-feira, a ACAP – Associação Automóvel de Portugal revelou que foram matriculados 267.828 veículos em 2019, menos 2% do que em 2018.

Trofa: Obras do Mercadona obrigam a corte parcial da N14 a partir do dia 6 e durante dois meses

Devido às obras de construção do Mercadona da Trofa, a Câmara Municipal informa que estão previstas algumas alterações na normal circulação do trânsito naquela cidade.

Pelo período de dois meses, e com início a 6 de janeiro de 2020, a Rua António Sousa Reis vai ter o trânsito cortado, estando os desvios devidamente assinalados no local.

Em paralelo, informa a autarquia trofense, a Rua D. Pedro V vai estar parcialmente cortada, com trânsito alternado com recurso a sinalização luminosa e policiamento por parte da GNR.

Mais informa que “esta fase das obras decorrerá sempre durante o período noturno”.

Governo está trabalhar numa nova legislação sobre segurança rodoviária para alterar sanções como as relacionadas com o uso do telemóvel

“Ao nível da legislação temos de melhorar determinadas situações, nomeadamente no que diz respeito às sanções”, disse Patrícia Gaspar, considerando que a condução sob efeito do álcool e com utilização de aparelhos, como os telemóveis, “são situações que não podem ser obviamente aceitáveis e põem em perigo a segurança de quem pratica estes atos e dos restantes condutores”.

A secretária de Estado participou numa conferência de imprensa de apresentação do balanço provisório da sinistralidade e fiscalização rodoviária de 2019 e da campanha de Natal e Ano Novo, promovida pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR).

Questionada sobre as alterações legislativas, Patrícia Gaspar referiu que o Governo está a trabalhar na legislação relativa à segurança rodoviária, sendo “a penalização e as sanções associadas a determinado tipo de infrações temas que estão em cima da mesa”.

“Não consigo garantir neste momento a 100% qual será o resultado final dessas decisões, mas posso garantir que é algo que está a ser trabalhado para que nos próximos meses possamos apresentar soluções alternativas ao que hoje em dia está estipulado”, precisou.

Assumindo que a segurança rodoviária é “uma prioridade” do Governo, Patrícia Gaspar adiantou que será também reforçada a fiscalização das infraestruturas rodoviárias e dada continuidade às campanhas de sensibilização, designadamente direcionadas para alvo específicos, como jovens.

A secretária de Estado considerou ainda fundamental “a componente do cidadão”.

“Por melhor que se trabalhe na área da fiscalização, por mais adequada que se seja a legislação em matéria de segurança rodoviária e por melhor que seja o socorro, há um papel fundamental e que depende de cada um de nós”, frisou, sustentando que “este é um desígnio nacional”.

Os dados hoje divulgados mostram que o número de mortos nas estradas diminuiu 7% no ano passado em relação a 2018, totalizando 472, mas os acidentes rodoviários, os feridos graves e ligeiros aumentaram.

“Falar de 472 vítimas mortais num ano é obviamente um número que não pode agradar a ninguém e não pode sobretudo trazer nenhum tipo de sentimento de confiança ou de trabalho completamente terminado, muito pelo contrário”, disse.

A secretária de Estado considerou ainda que “estes números não podem obviamente deixar satisfeitos, nem tão pouco com a sensação de missão cumprida”.

Most Popular Topics

Editor Picks