ALERTA: Mulher desaparecida

Rosa Maria da Costa Pinto está desaparecida desde esta quarta-feira à noite, na cidade de Braga.

A mulher, que sofreu recentemente a amputação de uma perna, saiu de casa por volta das 19h00, na zona de S.Victor, junto à farmácia, em Braga.

Rosa Pinto, terá saído de casa apenas com as muletas, deixando os seus pertences pessoais em casa (carteira e telemóvel). Um familiar próximo, em declarações à Cidade Hoje, estranha toda a situação e espera que alguém que a possa ter avistado dê informações às autoridades.

A mulher, para além de não se conseguir deslocar em grandes distâncias sem a cadeira de rodas, tem que tomar uma série de medicamentos que já estão em falta e podem estar a comprometer o seu estado de saúde.

Se a avistou deverá entrar em contacto de imediato com as autoridades e reportar a situação.

 

Governo prorroga período crítico de incêndios

O Governo decidiu prorrogar até 15 de outubro o período crítico de incêndios, devido à previsão de temperaturas “com valores acima do que é padrão” e à baixa probabilidade de ocorrência de precipitação, anunciou hoje o Ministério da Agricultura.

Segundo uma nota do Ministério, seguiu já para publicação em Diário da República o despacho do secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural onde se explica que se trata de “um prolongamento tendo em consideração as circunstâncias meteorológicas prováveis para a primeira quinzena de outubro, de temperaturas com valores acima do que é o padrão para a época, uma baixa probabilidade de ocorrência de precipitação e porque o território nacional se encontra em níveis elevados de valores de severidade meteorológica diária acumulada”.

Face a esta situação, o executivo prevê “uma manutenção do risco de incêndio rural em níveis elevados”.

Durante o período crítico de incêndios, nos espaços florestais ou agrícolas, é proibido fumar, fazer lume ou fogueiras; fazer queimadas; lançar foguetes e balões de mecha acesa; fumigar ou desinfestar apiários, salvo se os fumigadores estiverem equipados com dispositivos de retenção de faúlhas; fazer circular tratores, máquinas e veículos de transporte pesados que não possuam extintor, sistema de retenção de fagulhas ou faíscas e tapa-chamas nos tubos de escape ou chaminés.

“Face às condições descritas, considera-se necessário continuar a adotar as medidas e ações especiais de prevenção de incêndios florestais, que decorrem durante o período crítico, no âmbito do Sistema de Defesa da Floresta contra Incêndios”, refere a nota.

Enfermeiros marcam mais 6 dias de greve em Outubro

Os sindicatos dos enfermeiros anunciaram esta sexta-feira mais seis dias de greve no mês de outubro.

A jornada de luta, que começa a 10 de outubro, culmina no dia 19 com uma greve nacional e uma manifestação.

As organizações sindicais pedem ao Governo para apresentar uma proposta para a revisão de carreira e, assim, evitar mais dias de greve dos enfermeiros.

Os profissionais cumprem hoje o segundo e último dia de greve nacional. Os sindicatos apontam uma adesão a rondar os 80% nos dois dias de protesto.

Entra hoje em vigor a lei que proíbe o abate de animais nos canis municipais

A lei que proíbe o abate de animais como medida de controlo da população entra hoje em vigor no continente, mas os responsáveis veterinários afirmam que o problema dos animais abandonados vai aumentar.

O Bastonário dos Médicos Veterinários, Jorge Cid, mostrou-se “preocupado e apreensivo” relativamente à falta de ação dos municípios para se adaptarem à proibição de abate de animais.

“Vejo com alguma preocupação, apreensão e alguma tristeza que não haja nenhuma evolução nesta matéria e não se esteja a querer estudar o assunto de base que é o que me parece que vai resolver o problema”, afirmou o bastonário em declarações à agência Lusa.

O bastonário dos veterinários reforçou que só o combate ao abandono dos animais poderá ajudar a resolver o problema do número de animais nos canis e nas ruas, que as famílias portuguesas não têm capacidade de adotar.

“Parece-me que o caminho é precisamente o combate ao abandono e realmente criar condições para que as pessoas não abandonem os animais e estudar este problema a fundo, aí é que acho que devia incidir o esforço”, frisou.

Em vigor desde 23 de setembro de 2016, a lei que aprova medidas para a criação de uma rede de centros de recolha oficial de animais e estabelece a proibição do abate de animais errantes como forma de controlo da população estabelecia um período transitório de dois anos para adaptação, que termina hoje.

Também Ricardo Lobo, membro da direção da Associação Nacional de Médicos Veterinários dos Municípios (ANVETEM), afirma que o problema dos animais errantes é um “problema de educação”.

“O problema dos animais errantes tem que se resolver com tempo, é um problema basicamente de educação das pessoas e o que temos de baixar é este número perfeitamente absurdo de animais que nos chegam aos Centros de Recolha Oficial (CRO). Baixando este número de animais que nos chega aos Centros de Recolha Oficial obviamente que deixamos de abater animais”, disse.

A partir de hoje é proibido o “abate de animais em centros de recolha oficial de animais por motivos de sobrepopulação, de sobrelotação, de incapacidade económica ou outra que impeça a normal detenção pelo seu detentor”.

De acordo com a lei, os animais acolhidos pelos Centros de Recolha Oficial que não sejam reclamados pelos seus donos no prazo de 15 dias, a contar da data da sua recolha, são “considerados abandonados e são obrigatoriamente esterilizados e encaminhados para adoção”.

O diploma prevê também a “integração de preocupações com o bem-estar animal no âmbito da Educação Ambiental, desde o 1.º Ciclo do Ensino Básico” e a dinamização anual de “campanhas de sensibilização para o respeito e a proteção dos animais e contra o abandono”.

A Região Autónoma da Madeira deixou de abater animais nos canis municipais em 2016 depois de aprovar a proibição do abate de animais de companhia e errantes e definiu um programa de esterilização, em sessão plenária no parlamento insular em 04 de fevereiro de 2016, que entrou em vigor 30 dias depois.

Já os municípios da Região Autónoma dos Açores têm até 2022 para se prepararem para o fim do abate de animais nos canis municipais apesar de haver já alguns municípios a tentar antecipar o fim do abate.

Francês capotou e destruiu Jaguar que conduzia na N206

Um homem de 50 anos ficou com ferimentos considerados ligeiros, na sequência de um acidente de viação registado na última madrugada, na N206, em Negreiros, Barcelos, na chamada Reta da terra Negra.

De acordo com populares, o Jaguar SType terá entrado em despiste e capotou, o condutor conseguiu sair da viatura sem grandes ferimentos apesar desta ter ficado totalmente destruída.

No local estiveram os Bombeiros Voluntários de Viatodos, a Delegação da Cruz Vermelha de Macieira de Rates e o Destacamento de Trânsito do Comando da GNR de Braga.

Most Popular Topics

Editor Picks