Insólito | Covid-19: Graça Freitas manda famalicense abandonar o banco a meio do Belenenses SAD-Moreirense

O famalicense suplente no encontro deste sábado, entre Belenenses SAD e Moreirense, André Moreira, foi informado que teria de abandonar o banco de suplentes dos azuis por indicação de Graça Freitas.

De acordo com o comunicado emitido pela Liga, o guardião recebeu indicação positiva por parte do Dr. Filipe Froes para se apresentar a jogo, já que tinha testado negativo à Covid-19 por três ocasiões. Ora, ao intervalo chegou indicação contrária “por decisão da Autoridade de Saúde Nacional, a Dra. Graça Freitas, que confirmou o critério de contacto próximo e isolamento de 14 dias, ainda não cumpridos.”

O guardião dos azuis, refira-se, já havia falhado o duelo com o FC Porto, há uma semana, por causa do teste positivo do jovem João Monteiro.

 

Leia o comunicado:
“A Liga Portugal, através do seu consultor Dr. Filipe Froes efetuou durante toda a semana, em articulação com o departamento médico do Belenenses SAD, um acompanhamento à situação clínica do atleta André Moreira.

Tendo o referido jogador testado negativo ao SARS CoV-2, a 8, 9 e 10 de julho, e, em concordância com o Despacho da DGS, o Dr. Filipe Froes acabou por dar parecer positivo à convocatória do guarda-redes para o encontro desta noite entre o Belenenses SAD e o Moreirense FC.

Ao intervalo do encontro foi dada ordem ao atleta para se retirar do campo, por decisão da Autoridade de Saúde Nacional, a Dra. Graça Freitas, que confirmou o critério de contacto próximo e isolamento de 14 dias, ainda não cumpridos.

A retoma da Liga NOS tem sido marcada por um cumprimento exemplar do protocolo aprovado pela DGS e cumprirá sempre as orientações emanadas pelas autoridades de saúde perante situações não previstas no referido protocolo.”

 

Fonte: CM

Covid-19: DGS só vai voltar a dar o número de infetados por concelho a partir de terça-feira

A Direção Geral da Saúde congelou o número de infetados por concelho, no relatório diário que divulga através das plataformas online, avança o jornal Diário de Notícias.

Assim sendo, e até ao próximo dia 14, terça-feira, só o número de infetados no país é que se vai manter atualizado, todos os outros dados referentes a cada um dos concelhos não sofrerá qualquer tipo de atualização.

Em Portugal, nas últimas 24 horas, morreram mais oito pessoas e foram confirmados mais 342 casos de covid-19. Desde que a pandemia começou registaram-se 46221 infetados, 30655 recuperados e​​​​ 1654 vítimas mortais no país.

A DGS atualiza os números da Covid-19 todos os dias, ao início da tarde.

Incêndios: PCP ataca “anúncios” e “propaganda” do Governo e pede mais meios

“Depois de tantos anúncios e tanta propaganda, os problemas mantêm-se, quando não se agravaram. Este é o tempo de atuar em meios de prevenção e vigilância que assegurem respostas imediatas”, afirmou João Frazão, membro da comissão política do PCP, numa declaração através das redes sociais.

Este é o tempo de defender “os pequenos e médios produtores florestais, cumprindo a Lei de Bases da Floresta e a Lei da Defesa da Floresta contra Incêndios, assumindo uma outra política”, dado que a os incêndios ameaçam as suas explorações, defendeu o dirigente comunista.

Após os grandes incêndios de 2003 e 2005 e de junho e outubro de 2017, no centro do país, em que morreram mais de 100 pessoas, o PCP considerou que o país está “nas mesmas condições” dos anteriores, apesar da “fúria legislativa” deste e de outros executivos.

Para os comunistas, nessa altura como hoje, “o que faltava não eram leis, mas sim cumprir a Estratégia Florestal Nacional, a Lei de Bases da Floresta, a Lei do Sistema de Defesa da Floresta contra Incêndios, as orientações definidas no Inventário Florestal Nacional”.

“Alertámos que o que era necessário não eram mais regras e burocracias, mas sim meios humanos, materiais e financeiros”, sublinhou João Frazão, que criticou PSD e CDS por cortaram “150 milhões de euros em investimentos na floresta e favorecendo a concretização do esbulho das terras aos pequenos proprietários com o objetivo de as entregar e concentrar em grandes grupos económicos ou fundos de investimento”.

Sobre as “respostas imediatas” a dar, os comunistas vão fazer, em 17 de julho, uma audição pública com estruturas do Governo.

Desde 1 de julho que os meios de combate aos incêndios florestais foram reforçados, passando o dispositivo a estar na sua capacidade máxima, sendo o grande desafio conciliar esta época mais crítica em fogos com a resposta à pandemia de covid-19.

Até ao fim de setembro vão estar operacionais 11.825 operacionais, 2.746 equipas, 2.654 veículos e 60 meios aéreos, um aumento de 3% face a 2019.

Covid-19: DGS alertada para novo pico de casos em outubro

O grupo de peritos que trabalha com a Direção-Geral de Saúde (DGS) na projeção da evolução da pandemia de Covid-19 prevê uma subida significativa de novos casos para outubro, três semanas depois do início do ano letivo, cujo arranque está previsto para 14 de setembro.

Numa fase inicial, esse aumento poderá ser exponencial, sobretudo nas zonas com maior densidade populacional, nomeadamente Lisboa e Porto”, avisa Manuel Carmo Gomes, professor de epidemiologia na Universidade de Lisboa e um dos principais colaboradores da equipa de peritos da DGS e do Instituto Ricardo Jorge, citado pelo semanário Expresso.

O perigo vai começar em outubro e até fevereiro vamos estar sempre debaixo de grande risco, porque as pessoas passam mais tempo em ambientes fechados, tentam manter as suas atividades profissionais, os transportes estarão a funcionar e as aulas a decorrer”, acrescenta.

As autoridades de saúde já estão a preparar um reforço das medidas de prevenção. O Ministério da Saúde promete reforçar cuidados intensivos e capacidade dos laboratórios e apostar em teleconsultas para doentes não-Covid. A administração da vacina da gripe será antecipada

Expresso / TVI24

Most Popular Topics

Editor Picks