Covid-19: Dois óbitos e 418 infetados

Segundo o boletim epidemiológico divulgado na tarde desta quinta-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS), nas últimas 24 horas contabilizaram-se mais dois óbitos, 418 infetados e 194 recuperados.

Ao todo há já 42.427 casos recuperados em Portugal que, desde o início da pandemia, já contabilizou 1.829 mortes e 59.051 casos de infeção,

A região de Lisboa e Vale do Tejo com 207 novas infeções e o Norte com 177 representam 92% do total de novas infeções (384 de 418).

Covid-19: 26 utentes e 17 profissionais do Centro Social de S. Cosme infetados

Segundo a direção do Centro Social e Paroquial de S. Cosme há 26 utentes e 17 profissionais (do lar e da cozinha) infetados pela covid-19.

O alarme para esta situação foi dado esta segunda-feira, depois da instituição ter sido informada, pelas autoridade de saúde, que um utente, internado dias antes (sexta-feira, dia 28 de agosto) acusou covid-19.

O Centro Social e Paroquial, no dia seguinte – esta terça-feira – ordenou o rastreio a todos os funcionários e utentes do lar, bem como aos profissionais do centro de dia e da cozinha, que ditaram os resultados acima mencionados. No entanto, há ainda três casos que aguardam resultado.

Dos 26 utentes infetados, e até ao momento, apenas dois encontram-se hospitalizados.

Presidente da Junta de Joane contra notícias falsas de infetados pela covid-19

O presidente da Junta de Joane esclarece que as “notícias” que circulam nas redes sociais dando conta de muitos infetados pela covid-19 em Joane são falsas. Por serem alarmista e causarem perturbação social, António Oliveira sentiu necessidade de vir a público, numa publicação no Facebook, acalmar a população.

«Não são centenas, nem dezenas os casos confirmados em Joane e posso afirmar que nem sequer chegam à dezena», esclarece.

O autarca pede que as pessoas mantenham a calma e não espalhem boatos. Lembra que o essencial «é usar máscara, higienizar as mãos e cumprir o distanciamento social de modo a evitar o contágio».

FENPROF diz que não estão reunidas as condições para a abertura das escolas

A Fenprof não equaciona a greve, mas considera que não estão reunidas as condições para a abertura das escolas entre 14 e 17 de setembro porque, no seu entender, faltam testes, não existem regras de distanciamento e porque não há proteção para os professores que pertencem ao grupo de risco.

O secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, diz que o Governo teve dois meses para criar as condições necessárias que permitam o ensino presencial.

O dirigente afirma, ainda, que tentou reunir com o Ministério da Educação e com a Direção-Geral da Saúde para discutir as condições para a reabertura das escolas, mas nunca obteve resposta.

A Fenprof mostra-se preocupada com o que diz serem falta de testes nas escolas, o não distanciamento no primeiro ciclo e pré-escolar (onde estão previstas turmas de mais de 20 alunos e sem máscaras) e não haver proteção para os professores em grupo de risco (cerca de 12 mil, segundo a Fenprof).

Covid-19: Mais três mortes e 390 infetados

Desde o início da pandemia, Portugal contabilizou 1.827 mortes associadas à covid-19 e 58.633 casos de infeção, segundo o boletim epidemiológico divulgado ao princípio da tarde desta quarta-feira, pela Direção-Geral da Saúde.

Nas últimas 24 horas contabilizam-se três óbitos, 390 infetados e 129 recuperados. Ao todo registam-se 42.233 casos de recuperação.

A região Norte é a área com mais novos casos, com 184 das 390 novas infeções (47,2% do total); em seguida surge Lisboa e Vale do Tejo com 168 novos casos (43%).

Most Popular Topics

Editor Picks