Casa das Artes com espetáculos de regresso já em Abril

A Casa das Artes de Famalicão retoma, em abril, a sua programação. Apesar de ter permanecido de portas encerradas ao público, o teatro municipal continuou a sua atividade, com o trabalho com os artistas, preparando o regresso tão ansiado por todos.

A primeira fase do desconfinamento cultural faz-se online, com o acesso à cultura e à arte pelos canais de transmissão via redes sociais.

Noite de Primavera de Luís Mestre, Teatro Nova Europa, abre a programação no dia 10 de abril, às 21h30, com live streaming a partir do palco do Grande Auditório.

Noite de Primavera, a segunda noite da Tetralogia das Estações do dramaturgo Luís Mestre, mergulha-nos num arquivo de memórias, ambições e visões da juventude que assombram quatro vidas numa noite intensa deflagrada pela insónia.

A interpretação é de Ana Moreira (atriz e realizadora), Carlos Silva (coreógrafo e bailarino), Tânia Dinis (performer e artista visual) e Zeca (cantora e fadista). Esta é uma co-produção Teatro Municipal do Porto/Teatro Nova Europa, com o apoio da Casa das Artes de Famalicão, Centro de Arte de Ovar, Cine-Teatro de Estarreja e Companhia Instável

O segundo ato da programação dá lugar à música, com Álvaro Cortez, na percussão, e Isabel Romero, ao piano. Espetáculo a 17 de abril, às 21h30, em live streaming a partir do Grande Auditório.

O concerto abre com “Frozen in Time”, de Avner Dorman. A obra pretende, por um lado, regressar a um tempo em que a morfologia geográfica era diferente da atual, evocando ambientes e sons de acordo com esses antigos continentes; por outro, mesclar todos os tempos num só, ao fazer referência a estilos musicais de vários períodos históricos. De Cage, percorremos várias facetas do compositor: uma mais nostálgica, representada pela “Round”; e ainda uma mais percussiva, com “Soliloquy”. Adiciona-se um elemento novo ao concerto, através da composição de John Psathas para Marimba, Junk Pecussion e Eletrónica. “One Study” é pleno de virtuosismo, energia e glória. Por fim, o espetáculo termina com a obra de Gerassimez, composta em homenagem a Piazzolla, deste, indo buscar o contraste entre a tensão e o lirismo.

Nos dias 22, 23 e 24 de abril, com horários sujeitos a confirmação, a Casa das Artes de Famalicão estreia EU NUNCA VI UM HELICÓPTERO EXPLODIR de Catarina Ferreira de Almeida e Joel Neto.

A encenação de Luísa Pinto, com interpretação de António Durães, Filipa Guedes, Luísa Pinto, Rui de Noronha Ozório, Constança Antunes e o jornalista Fernando Alves.

Co-produção Narrativensaio-AC com a Casa das Artes de Famalicão e a Câmara Municipal de Angra do Heroísmo.

A entrada custa 6 euros, ou 3 euros para estudantes, Cartão Quadrilátero Cultural e seniores (a partir dos 65 anos).

A sinopse descreve: Numa casa no campo, por via da pandemia da covid-19, um homem e uma mulher têm de escrever em conjunto uma peça de teatro. O que na vida de todos os dias não ousariam dizer um ao outro alimenta a escrita, esbatendo fronteiras entre fantasia e realidade. No palco, pessoas filmadas evocam perplexidades e interpelam os atores. E o diálogo conjugal, cómico ou simplesmente cruel, redime-se numa rotina criativa propiciada pela mudança da cidade para a aldeia. Que casal será este, afinal? O que veem nele os novos vizinhos e até os amigos do passado? A que lugar pertencem esse homem e essa mulher: à aldeia onde se reencontraram ou à cidade onde se conheceram? E como poderão escrever sobre isso, juntas, duas pessoas com impulsos criativos e métodos de trabalho tão distintos – ela que escreve para dizer o que pensa, ele que escreve para perceber o que sente?

Em fundo, a pandemia é vivida com especial dramatismo nos grandes agregados populacionais. O mundo debate-se com todos os géneros de restrições à liberdade, e a vida passa a ser vivida nos ecrãs. Um tempo assustador e fascinante, embora nem por isso para aquele casal – o confinamento sempre foi o seu modo de vida. Mas, a reboque desse privilégio, vem também a inquietante sensação de se viver à margem da realidade…

Uma reflexão sobre a evolução de um casamento, as rivalidades sobre as quais ele pode disputar-se, os desejos e as frustrações em jogo; o gesto criativo, os seus diferentes métodos e motores e a medida de conciliação a que é possível aspirar; os desafios de uma epidemia única em mais de cem anos e a vertigem daquilo a que chamámos aldeia global.

Teatro, cinema, radio, televisão, internet – eis um espetáculo que cruza todas essas linguagens.

A primavera que grimpa em abril revela também a estreia de IntraNzyt 0.0, a primeira produção da Companhia Intrazyt, numa co-produção: Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão / Casa das Artes de Famalicão, Câmara Municipal de Loulé / Cineteatro Louletano

Espetáculos marcados para 29 e 30 de abril, em horários sujeitos a confirmação, no Grande Auditório.

Entrada: 4 euros, ou 2 euros para estudantes, Cartão Quadrilátero Cultural e seniores (a partir dos 65 anos).

A INTRANZYT CIA. Jovem é uma novíssima companhia de dança, sediada em Famalicão, mas de âmbito europeu e surge com o objetivo de preencher uma lacuna no panorama da dança nacional, no que diz respeito ao momento de transição dos jovens bailarinos do mundo académico para a realidade do universo profissional da dança. É missão da INTRANZYT Cia. Jovem apoiar bailarinos recém-formados, oferecendo-lhes uma plataforma onde se possam concentrar em desenvolver o seu talento, num ambiente profissionalizante de uma companhia de dança. A INTRANZYT Cia. Jovem está a criar um repertório plural e eclético, com criações próprias e de outros criadores e companhias associados e a promover a circulação da companhia no território nacional e no estrangeiro. A companhia irá privilegiar a apresentação de trabalhos de coreógrafos e criadores portugueses, muitos deles radicados no estrangeiro há muitos anos, com trabalho reconhecido internacionalmente e que por vários motivos ainda não tiveram a oportunidade de se apresentar em território nacional. A INTRANYT Cia. Jovem tem neste momento no seu elenco, bailarinos de diferentes territórios de Portugal, Itália, França e Japão.

Com a parceria, indispensável, da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, da Casa das Artes de Famalicão e ainda do Cineteatro Louletano, da Compagnie Illicite-Bayonne, do Augsburg Ballet, da Orquestra Sem Fronteiras, da Associação ESTUFA, da Companhia Olga Roriz e dos estúdios Dance Fusion, a companhia estreia o seu primeiro programa – Intranzyt 0.0 – composto por três peças coreográficas que abrem caminho à linha artística e estética da companhia, sendo duas delas estreias nacionais e uma estreia absoluta. Este primeiro espetáculo, assinado por: Fábio Lopez, Ana Isabel Casquilho, Cristina Pereira e Vasco Macide, dará início à criação de um repertório de dança que se quer criador de valor para os bailarinos, profissionais, companhias e parceiros envolvidos no processo, assim como para os públicos.