Câmara da Póvoa cria grupo para caso de Luís Sepulveda, escritor infetado com o Covid-19

Em comunicado, o Município da Póvoa de Varzim, organizador do evento Correntes d’ Escritas, informa que, “na sequência da notícia sobre a confirmação de que o autor Luís Sepúlveda está infetado com o coronavírus”, foi “constituído um grupo de acompanhamento, em contacto direto com as entidades responsáveis de saúde local, regional e nacional”.

Informa ainda a Câmara que foi “definido que toda a comunicação sobre este assunto será tratada diretamente pela Direção Geral de Saúde”.

“Este grupo de trabalho seguirá todas as recomendações que, a cada momento, a Direção Geral de Saúde recomendar”, acrescenta ainda.

Avança o Jornal de Notícias que a Direção-Geral de Saúde está em contacto com Espanha para perceber onde e com quem contactou Luis Sepúlveda em Portugal.

O Governo das Astúrias confirmou no sábado o primeiro caso de infeção pelo novo coronavírus na região, que, segundo a imprensa espanhola, se trata do escritor chileno Luis Sepúlveda, que esteve recentemente em Portugal.

Segundo as autoridades de saúde locais, trata-se de um homem de 70 anos, que se encontra “estável”.

De acordo com o jornal La Voz de Asturias, Luis Sepúlveda é o primeiro caso confirmado na região, estando o escritor em isolamento no Hospital Universitário Central das Astúrias, em Oviedo. Num primeiro momento, o escritor procurou ajuda junto da Clínica Covadonga.

O escritor e a mulher estiverem na Póvoa do Varzim (distrito do Porto), no festival Correntes d’Escritas, entre 18 e 23 de fevereiro, e os primeiros sintomas surgiram no dia 25, segundo a edição ‘online’ da publicação, tendo Luis Sepúlveda procurado ajuda médica dois dias depois.

A mulher, a poetisa Carmen Yáñez, de 66 anos, também se encontra em isolamento naquela unidade de saúde, não estando ainda confirmado que está infetada.

Segundo a esposa do escritor, citada pela imprensa espanhola, este está “está bem”.

O serviço de vigilância epidemiológica espanhol identificou quatro a seis pessoas do círculo próximo do escritor, além dos profissionais que o ajudaram na clínica, assim como oito a nove outras pessoas com quem manteve contacto pessoal. Todas estas pessoas estão a ser monitorizadas para eventuais sintomas, sendo que neste momento devem restringir a sua vida social.

Em declarações ao Expresso, Manuela Ribeiro, da organização do festival disse que foi apanhada de surpresa pela notícia: “Parece-me muito clara a nossa obrigação de informar todas as pessoas que estiveram envolvidas no festival, desde escritores a público… toda a gente, no fundo. Iremos ter uma ideia mais clara do que fazer após reunião com o vereador da Câmara Municipal”, disse.

Manuela Ribeiro disse ainda ao Semanário que quando se despediu do escritor este já estava bastante engripado. “O Luis já estava bastante constipado quando nos despedimos. (…) ninguém sabe de onde poderá ter vindo o vírus – ou até que o tenha contraído mais tarde, inclusive”, acrescenta.

Segundo dados de sábado da Organização Mundial de Saúde, Espanha tem atualmente 45 casos confirmados de infeção, não havendo registo de vítimas mortais.