Bombeiros Famalicenses querem informações sobre infetados com covid 19

A direção e comando dos Bombeiros Famalicenses endereçou uma carta aberta à Direção Geral de Saúde e consequentemente à Delegação de Saúde de V.N. de Famalicão, com um apelo.

Esta corporação que, tal como as outras, está na primeira linha de socorro aos doentes, quer informações diárias sobre a morada exata dos doentes covid-19 em vigilância, em recuperação e os cidadãos sob suspeita que se encontrem em quarentena. Não querem saber os nomes, apenas as moradas para se precaverem caso seja necessário fazer um socorro.

Os Bombeiros Famalicenses lembram que, assim, também poupariam recursos financeiros e materiais.

É que, por cada saída em emergência, e porque não sabem se o doente pode estar infetado ou não, os bombeiros levam máscaras, toucas, óculos, batas, perneiras, fatos e luvas. Acresce a este material a desinfeção total do veículo e dos equipamentos. Tudo isto tem um custo de 80€ por doente, esteja ele com covid 19 ou não.

Se soubessem aonde estão os infetados ou aqueles que estão em quarentena, os bombeiros usariam a proteção adequada; para os restantes casos as equipes de emergência iriam com a proteção básica, a qual tem custos muito mais baixos, permitindo ainda a poupança de material, que escasseia.

O presidente da direção dos Famalicenses, António Meireles, e o comandante Bruno Alves, lembram que o país está a viver uma situação de emergência nacional e aqueles que estão na linha da frente, colocando as suas vidas em perigo, não podem ser prejudicados tendo por base o Regulamento de Proteção de Dados.