País

Augusto Canário apresenta candidatura de canto ao desafio a património da Humanidade

O processo de candidatura à Unesco do canto ao desafio e do repentismo português a Património Cultural Imaterial da Humanidade vai ser iniciado em outubro, em Viana do Castelo, disse hoje o promotor do projeto.

Em declarações à agência Lusa, o intérprete de música tradicional portuguesa e cantador ao desafio Augusto Oliveira Gonçalves explicou que “o projeto vai começar a dar os primeiros passos no primeiro encontro de cantadores ao desafio e repentistas portugueses, que vai decorrer dias 20 e 21 de outubro, no teatro municipal Sá de Miranda, em Viana do Castelo”.

“O objetivo é juntar todas as formas de canto de improviso existentes em Portugal, com vista à criação de uma associação nacional que congregue todo este conhecimento para que, dentro de dois a três anos, possa ser formalizada uma candidatura do canto ao desafio e do repentismo português a Património Imaterial da Unesco”, afirmou.

Augusto de Oliveira Gonçalves, conhecido como Augusto Canário, de 58 anos, é natural de Vila Nova de Anha, freguesia da margem esquerda do rio Lima, em Viana o Castelo.

Em janeiro de 2017 foi distinguido pela autarquia da capital do Alto Minho com a medalha de cidadão de mérito, durante as comemorações do 169.º aniversário de elevação de Viana a cidade.

Além de cantador ao desafio, à desgarrada, tocador de concertina e intérprete de música tradicional Augusto Canário é, há 35 anos, animador sociocultural na delegação de Viana do Castelo da Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (APPACDM).

O músico, com o apoio da câmara da capital do Alto Minho, vai juntar, durante dois dias, “cerca de uma centena de cantadores ao desafio, repentistas e músicos portugueses”, num encontro que “tem também uma dimensão internacional garantida pela presença de cantadores da Galiza e do Brasil”.

O cantar ao desafio é uma cantiga popular em que os cantadores vão improvisando, desafiando e respondendo um ao outro, normalmente ao som de concertina. Também conhecida por desgarrada, esta tradição é ainda denominada por cantares ao desafio, cantigas ao desafio ou cantigas à desgarrada.

Segundo Augusto Canário, o encontro marcado para dias 20 e 21 de outubro vai contar com a participação de cantadores ao desafio do Minho, Trás-os-Montes, Douro, Beira Alta, Beira Litoral, Alentejo, Madeira, Açores, poetas repentistas do Ceará, no Brasil e cantadores regueifeiros da Galiza.

“Viana do Castelo, com o apoio da câmara municipal, vai iniciar um projeto nacional que, nos anos seguintes, irá disseminar-se por outras regiões do país, chamando outros grupos da Galiza e partilhando o repentismo com grupos de outros países”, destacou.

Além de espetáculos de cantares ao desafio, o programa do encontro inclui ainda a realização das jornadas “Cantar ao Desafio-Repentismo em Portugal”, que contarão com a participação “de especialistas nesta forma de expressão artística”.

Augusto Canário conta com mais de 35 anos dedicados à música tradicional e popular, através da participação em vários grupos e projetos musicais, dos quais se destaca o grupo Cantares do Minho, de que foi um dos fundadores.

Foi congregando outros tocadores e cantadores que o acompanham nas várias atuações ao longo do país e do estrangeiro, tendo atualmente uma banda “Augusto Canário e Amigos”, em que a concertina ocupa um lugar de destaque, bem como o cantar ao desafio (desgarrada).

Previous post

Mais um golfinho apareceu morto em praia do norte

Next post

Exposição dedicada a "Bernardino Machado homem de ciência, também professor de Antropologia" é inaugurada esta sexta-feira

Cidade Hoje