Associação Famalicão em Transição mantém posição contra mudança das hortas

Depois de reunir com o presidente da Câmara Municipal de Famalicão, a pedido do próprio autarca, a direção da Associação Famalicão em Transição considera «pertinente que se explorem todas as possibilidades para reverter o processo de destruição das Hortas e de “amputação” do Parque da Devesa».

Após a reunião, que decorreu no dia 26 de março, a Associação Famalicão em Transição mantém dúvidas sobre o processo de transição das hortas do Parque da Devesa para um terreno junto à Avenida dos Descobrimentos, e já solicitou o acesso ao processo.

Recorde-se que as hortas urbanas estavam instaladas num terreno no Parque da Devesa que foi cedido pelo CITEVE (Edifício implantado no mesmo local) que agora precisa do espaço para fazer uma ampliação. O município procurou uma alternativa e encontrou-a no arrendamento de um terreno junto à Avenida dos Descobrimentos (estrada Famalicão-Porto) para onde está prevista a transição das hortas.

Alguns hortelãos contestaram esta decisão, oposição também manifestada pela Associação Famalicão em Transição, uma associação de defesa do ambiente e de uma vida mais saudável.

Sobre este processo das hortas urbanas, a Associação Famalicão em Transição mantém que outras soluções de ampliação do CITEVE poderiam ter sido equacionadas que não para as hortas urbanas. Considera também muito pouco tempo o período de 15 dias/ a um mês para ouvir os visados, «pois num intervalo tão curto de tempo não é possível um debate, ouvir a população e enriquecer a tomada de decisão com eventuais abordagens alternativas», sublinha a direção da Associação. Ainda sobre este ponto, alerta que qualquer «alteração a um Plano de Urbanização obriga a uma prévia discussão pública».

Este foram os argumentos da Associação Famalicão em Transição que ouviu também as explicações do presidente da Câmara sobre este processo. O autarca terá afirmado que o processo de expansão das hortas estava a ser estudado à cerca de um ano e que por razões técnicas e de financiamento aquela terá sido a única solução possível.