Artistas, técnicos e promotores protestaram em Lisboa pela “fome e miséria” que se vive no meio

Centenas de trabalhadores dos espetáculos manifestaram-se hoje em Lisboa, num protesto que alertou para situações de fome e miséria, a perda de trabalhadores qualificados para outras profissões e uma “morte certa” do setor se nada for feito.

Esta manhã, em frente à entrada da praça de touros e sala de espetáculos do Campo Pequeno, várias dezenas de caixas pretas, usadas para guardar o material dos técnicos de palco e assistentes de espetáculos, alinhavam-se em longas filas, erguidas ao alto, identificadas com o nome das muitas empresas ali presentes, todas elas fechadas, numa imagem de imobilidade que é o retrato do momento que atravessa o setor.

Os técnicos estavam no interior da praça, sentados nas cadeiras ali colocadas à distância regulamentar exigida pela Direção-Geral de Saúde (DGS), para ouvir intervenções de artistas, representantes associativos e promotores de festivais, a traçarem uma imagem de crise e a apelarem para medidas urgentes do Governo que não deixem morrer a cultura em Portugal.

“É uma situação muito trágica, porque deixámos de estar presentes no discurso, aliás nunca o estivemos, e é preciso [saber] se o Governo e os decisores políticos assumem que destroem a cultura num país, a identidade de um país, centenas de milhares de empregos, de vidas”, disse à Lusa Sandra Farinha, da direção da Associação de Promotores de Espetáculos, Festivais e Eventos (APEFE).

Most Popular Topics

Editor Picks