Agência Funerária da Lagoa mantém a dignidade dos funerais mas com respeito pelas normas da DGS

A Agência Funerária da Lagoa/Centro Funerário Godinho adotou alguns procedimentos para minimizar o impacto da pandemia pelo covid-19, que se estendem por duas áreas distintas: o modo de funcionamentos dos funerais e a organização interna da funerária.

Relativamente aos óbitos, a Agência Funerária da Lagoa está a tomar todas as precauções relativamente aos cadáveres com infeção suspeita ou confirmada, seguindo todas as normas da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Nestes casos, o corpo permanece em caixão fechado e segue diretamente para o crematório ou cemitério sem cerimónias religiosas. A DGS aconselha a cremação, mas não é obrigatório fazê-lo.

Relativamente às pessoas falecidas com outras doenças, são mantidos alguns cuidados, seguindo também normas da DGS e das autarquias locais. Por exemplo, as cerimónias religiosas são restritas a um determinado número de familiares.

A Agência Funerária da Lagoa efetuou também um plano de contingência interno. Dividiu a equipa de trabalho em dois grupos, cada grupo trabalha sete dias seguidos enquanto o outro permanece em casa. Segue na íntegra as orientações da DGS no que se refere aos equipamentos de proteção individual e procedimentos de higienização. O centro funerário foi dividido em duas zonas; e não existe passagem entre as duas sem que haja um procedimento de higienização e desinfeção; o contacto entre os colaboradores das duas zonas é feito pelo telefone.

Também o contacto com as famílias é feito preferencialmente pelo telefone ou por email, para evitar contacto presencial.