A ajuda deve ser sem vaidade, pede o CDS

A estrutura concelhia do CDS-PP diz que este «não é o momento de aproveitamento político e de patrocínio desnecessário e dispensável de lutas político-partidárias internas ou externas». Em comunicado à imprensa, o CDS-PP condena «qualquer atitude que egoisticamente alguém utilize e que de uma forma subversiva instrumentalize e desvie todos os envolvidos na primeira linha deste combate».

O CDS lembra que é um partido com responsabilidades de gestão autárquica no concelho de Famalicão e que, por isso, lhe cabe uma postura de apoio e acompanhamento às medidas tomadas pelo município face a esta pandemia do covid-19. O CDS acredita que cabe a estas estruturas públicas, juntamente com a sociedade civil, a mobilização contra este vírus que ameaça a saúde pública.

Nesta medida, este partido centrista promete continuar atento às medidas que estão no terreno e às reais necessidades da população famalicense «sem aproveitamento nem vaidade».

Hélder Pereira, vice-presidente da concelhia do CDS-PP, acrescenta que o importante nesta fase da pandemia «é mobilizar toda a nossa estrutura para as necessidades e para as medidas tidas pelos agentes locais e nacionais como necessárias. É esta a postura que a sociedade espera da intervenção dos partidos políticos, ou seja, de ajuda e cooperação».

O CDS-PP deixa, ainda, uma palavra de agradecimento a todos aqueles que, na linha da frente, procuram garantir as melhores condições de saúde e segurança dos famalicenses. «Sabemos do enorme esforço que todos os profissionais têm colocado neste combate», reconhece. Esta estrutura partidária elogia, ainda, os cidadãos que, «de forma responsável, têm acatado e cumprido neste quadro excecional de estado de emergência as medidas de aconselhamento e restrição tidas como adequadas para o controlo da pandemia».