4 dicas de empreendedorismo que vão valorizar as empresas portuguesas

E, talvez, levar a sua empresa para um novo nível!

Ter uma empresa não é tarefa fácil. Existe sempre trabalho para fazer, tanto em empresas recentes como em empresas já estabilizadas no seu mercado. E, se tem uma empresa, acreditamos que entenda o que queremos dizer.

No meio de toda a correria, valorizar a empresa é importante e nunca se deve esquecer de ter esta valorização em mente. Pensando na mesma, deixamos 4 dicas de empreendedorismo que, certamente, farão toda a diferença no seu negócio.

 

4 dicas para valorizar a sua empresa

1. Ter em mente as tendências atuais

Se quer que a sua empresa sobressaia, deve ter em conta as tendências que se encontram em alta na atualidade. Sempre que fizer sentido, a empresa deve incorporar as tendências e reinventar-se.

Uma das tendências atuais e que, inclusivamente, afeta a escolha dos consumidores é o ser amigo do ambiente. Muitas empresas estão, por exemplo, a reduzir o uso de plástico e a deixar de lado os documentos físicos, usando opções digitais.

Na Jerónimo Martins, por exemplo, a maioria dos produtos de marca própria usam plástico reciclável, mas o grupo está à procura de soluções para diminuir esse plástico e substituí-lo por papel. Atualmente, o papel e cartão já representam 60% do material usado pela empresa.

O Lidl também está a reduzir o uso de plástico nos seus produtos de marca própria. As embalagens de frutos secos e têxteis já viram o seu plástico substituído por papel.

Mas não fica por aí. Dezenas de lojas decidiram diminuir os gastos em papel, usando folhetos online. O catálogo Ikea é um excelente exemplo dessa mudança, e, nesse catálogo, o consumidor tem acesso a todos os folhetos repletos de promoções, sem que seja gasto papel para tal. Após 7 anos, a empresa anunciou que vai parar de imprimir e distribuir catálogos, em resposta à mudança de comportamento do cliente e tendências no consumo de mídia e assim sinalizando um declínio da demanda por marketing baseado em impressão. Ao aceder aos folhetos online, o consumidor está a poupar 288 páginas com o catálogo “IKEA – Catálogo 2021” e 68 páginas com o catálogo “IKEA – Catálogo Cozinhas”. É muito papel poupado por consumidor!

Ter atenção às tendências atuais irá valorizar a sua empresa e destacá-la das restantes existentes no seu mercado de atuação.

2. Investir em tecnologia

O uso de novas tendências tecnológicas irá facilitar – e muito! – a otimização de processos dentro da empresa e a relação com os consumidores.

Mas de que tecnologias estamos a falar? Algumas das que merecem destaque são:

  • Internet das coisas (IoT);
  • Realidade aumentada;
  • Impressão 3D;
  • Blockchain;
  • Uso de drones;
  • E muito mais!

Pode saber mais sobre estas tecnologias e o porquê de serem excelentes investimentos para o seu negócio, neste conteúdo.

3. Não faça tudo sozinho

Esta é uma dica de empreendedorismo que muitos demoram a colocar em prática, por diversas razões. Mas colocando essas razões de lado, não fazer sozinho irá levar a um crescimento mais rápido das empresas portuguesas.

Isso pode significar contratar um profissional, candidatar-se a apoios para empreendedores, fazer parcerias com outras empresas ou profissionais e muito mais.

A nível de apoios financeiros, informe-se junto da Câmara Municipal da sua região, pois pode encontrar o que precisa. Outros apoios ao empreendedorismo são o Ninhos de empresas, a ANJE, o IEFP ou o Portugal 2020.

Claro que, com os apoios, conseguirá investir na sua empresa, fazendo-a crescer mais depressa.

4. Abraçar o digital

Lá se foram os tempos em que era possível manter um negócio – e destacar-se – usando, apenas, métodos tradicionais. O digital chegou para ficar, portanto o melhor que as empresas podem fazer é abraçar este método e reinventar o negócio.

Ter um website na internet, manter as redes sociais atualizadas ou valorizar os consumidores – respondendo a comentários – são apenas alguns dos passos essenciais. Lembrando que, atualmente, a presença online pode determinar o sucesso de um negócio.

 

Mas a dica número 1 é abraçar as adversidades!

É certo que as dicas acima vão valorizar o seu negócio, mas não ficamos por aí!

Além de estarem atentos às tendências, investirem em tecnologia e abraçarem o digital, os empresários também devem estudar e ler com frequência, criar uma rede de contactos ou investir em novas skills que, indiretamente, vão valorizar a empresa a longo prazo.

No entanto, a dica de empreendedorismo número 1 e que vai influenciar a empresa de forma positiva é abraçar as adversidades, ao invés de remar contra elas. As adversidades podem – e devem – ser vistas como oportunidades de melhoria.

Não precisamos de ir muito longe, a pandemia tem afetado as empresas portuguesas, o que constituiu uma enorme adversidade para muitos negócios. Os pequenos e novos negócios tiveram de usar o digital para manterem as portas abertas, com entregas ao domicílio.

Embora seja um momento de maior stress, abraçar as adversidades pode levar as empresas portuguesas a um novo nível!

 

Use as dicas acima e valorize a sua empresa para se destacar das restantes que se encontram no mercado português.

Famalicão: Gabriel Couto integra consórcio nacional para a linha de Alta Velocidade

A construtora Gabriel Couto, de Famalicão, integra o consórcio nacional que vai participar no concurso para a primeira fase de construção das linhas de Alta Velocidade, com um custo estimado em 3 mil milhões de euros. O anúncio foi feito esta quarta-feira, por Carlos Mota dos Santos, novo presidente do Conselho de Administração da Mota-Engil, empresa que liderará este consórcio do qual fazem ainda parte o Grupo Casais (Braga), Teixeira Duarte, Alves Ribeiro e Conduril.

Em entrevista ao Jornal de Negócios, o gestor revelou que o consórcio que vai concorrer à construção das linhas entre Porto e Coimbra (Porto-Oiã e Oiã-Soure) já está formado. Em 2025, são abertos concursos para a construção entre Coimbra e Lisboa e entre o aeroporto do Porto e Braga, aos quais o consórcio também tenciona concorrer.

A nova linha de alta velocidade que pretende ligar as duas principais cidades do país em apenas uma hora e 15 minutos no serviço direto.

Famalicão: Câmara Municipal faz parte de consórcio para a gestão de água no têxtil e vestuário

Vila Nova de Famalicão é um dos municípios parceiros do Consórcio GIATEX – Gestão Inteligente da Água na Indústria Têxtil e do Vestuário (ITV), constituído por cerca de três dezenas de instituições nacionais, com vista a responder aos desafios enfrentados pelas empresas de enobrecimento têxtil, ao nível do consumo específico de água e apoiar na decisão sobre o destino final a dar às águas.

A adesão do Município foi aprovada na reunião do executivo municipal, no passado dia 26 de janeiro, sendo que o seu envolvimento remete para a sensibilização e divulgação da agenda desenvolvida pelo consórcio.

Integram este projeto 27 membros, nomeadamente, instituições ligadas à investigação e ensino superior, empresas têxteis e afetas ao vestuário, e as autarquias de Famalicão e Santo Tirso.

O consórcio tem por objeto a execução de uma agenda mobilizadora intitulada de ‘GIATEX – Gestão Inteligente da Água na ITV’, cujo promotor líder é a Estamparia Adalberto, com coordenação técnica do CITEVE – Centro Tecnológico Têxtil e Vestuário. Este projeto está enquadrado e financiado no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência de Portugal.

Empresa da Póvoa de Varzim muda-se para Famalicão, cria postos de trabalho e investe 7 milhões de euros

A Steeltrax é uma empresa da Póvoa de Varzim que se vai mudar para Vilarinho das Cambas. Dedicada ao fabrico de estruturas e perfis metálicos especificamente direcionados ao mercado das energias renováveis, deverá estar pronta a funcionar em março do próximo ano. A nova unidade, com cerca de 6000 m2 e um investimento superior a 7 milhões de euros, será também a nova sede social da empresa.

Segundo os responsáveis da empresa, a mudança de concelho deve-se à necessidade de aumentar a produção, a uma melhor logística, além dos acessos privilegiados para a exportação.

A construção da nova unidade prevê a criação de 11 novos postos de trabalho “altamente qualificados”, para dar resposta à pretensão da empresa de «apostar fortemente na investigação e desenvolvimento (I&D), assim como na relação de proximidade com universidades e institutos de investigação científica, para potenciar o conhecimento e desenvolvimento de produto».

De referir que a instalação desta empresa no concelho famalicense vai contar com o apoio da Câmara Municipal, através do programa Made 2IN, que apoia a captação e fixação de empresas no concelho, com redução das taxas de licenciamento e de construção.

«A dimensão do Created IN Famalicão também é materializada com a atração de empresas com este perfil de abertura para a investigação e desenvolvimento de novos produtos, para o nosso território. Daí a manifestação de interesse municipal deste investimento», justifica o presidente da Câmara Municipal, Mário Passos.

Na Reunião de Câmara do dia 26 de janeiro, foi aprovada a abertura do período de candidaturas ao Programa Municipal de Apoio Financeiro a Bolsas de Investigação, uma medida de promoção da inovação empresarial por via do desenvolvimento de atividades de Investigação e Inovação (I&I) e a sua transferência para a indústria do concelho, que prevê a atribuição de cinco prémios a bolsas de investigação no valor de 5.000€ cada uma.

 

 

Famalicão: Programa para investigadores/bolseiros atribui prémios de 5.000 euros

Foi aprovada, esta quinta-feira, em reunião do executivo municipal, a abertura de candidaturas ao Programa Municipal de Apoio Financeiro a Bolsas de Investigação, medida de promoção da inovação empresarial por via do desenvolvimento de atividades de Investigação e Inovação (I&I) e a sua transferência para a indústria do concelho. O programa prevê a atribuição de cinco prémios a bolsas de investigação no valor de 5 mil euros cada uma.

Dirigido a investigadores e bolseiros com projetos de investigação em curso, aprovados por instituições oficiais, nacionais ou internacionais, o período de receção de candidaturas decorre de 1 de fevereiro a 30 de abril, em www.famalicaomadein.pt, onde vai estar o formulário de candidatura, bem como informação regulamentar sobre o programa que atesta, nas palavras do presidente da Câmara Municipal, «a aposta num concelho criador, onde prolifera a inovação e são criadas condições para o desenvolvimento, através da investigação (…) para isso temos que reter e atrair talento e é esse um dos grandes objetivos desta iniciativa». Mário Passos acrescenta, ainda, que esta medida «vai ao encontro do compromisso assumido com os famalicenses de criar um programa de bolsas de inovação, por forma a potenciar a competitividade económica do nosso concelho».

O Programa Municipal de Apoio Financeiro a Bolsas de Investigação decorre da implementação ‘do MadeIN ao CreatedIN’, que inclui o novo eixo de ação: MadeInovar. Esta nova abordagem do Famalicão MadeIn aposta na criação e no desenvolvimento de valor, procurando atrair empresas de base tecnológica, incentivar a transição – digital e climática -, promover a ciência, conhecimento e tecnologia, aproximar as entidades do Sistema de Investigação e Inovação (ENESII) e as empresas do território, assim como criar, atrair e reter talento e fomentar a coesão e o bem-estar social.

Foto: Câmara Municipal

 

Portal das Finanças não está a funcionar

O Portal das Finanças está inacessível e, até ao momento, não se sabe o que está a acontecer e não há nenhuma informação oficial.

Além do Portal das Finanças, também o Portal do e-faturas está inoperacional.

Nas redes sociais os utilizadores estão a ser informados que «estão a ocorrer constrangimentos no acesso ao Portal das Finanças. Lamentamos pelo incómodo. Assim que a situação estiver resolvida informamos».

Famalicão: Há uma nova oportunidade de qualificação para 20 formandos

Teve início, esta quarta-feira, o DigitalReskilling, um programa de requalificação profissional nas áreas emergentes das tecnologias digitais e business intelligence, para 20 formandos com qualificação de 12.ºano ou superior, mas em situação de desemprego, e que buscam aqui uma nova oportunidade de carreira. O curso tem a duração de 950 horas, com a formação teórica a realizar-se na Casa da Juventude e a restante (cerca de 450 horas) em contexto de trabalho, em empresas parceiras como a Salsa, TMG, Vieira de Castro, VLB Group, Primor, CMW Foundries, entre outras.

Trata-se de uma iniciativa da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, em colaboração com o Instituto de Emprego e Formação Profissional e o Cesae Digital – Centro para o Desenvolvimento de Competências Digitais.

O programa resulta, segundo Augusto Lima, «de uma auscultação prévia das necessidades das empresas, que são parceiras do processo» e representa «uma oportunidade para estas pessoas que, apesar das qualificações, não encontraram nas suas áreas de formação oportunidades profissionais», nota o vereador da Educação e Ciência do Município de Famalicão.

Augusto Lima confere que o desenvolvimento de novas tecnologias, de programação digital e tratamento de dados, «é hoje fundamental para as empresas do concelho que incorporam, cada vez mais, tecnologia, investigação e desenvolvimento no que produzem. Este programa requalifica pessoas e responde a esta necessidade», acredita o autarca.

A formatação deste programa, pelo enquadramento e envolvimento de diferentes agentes (Município, IEFP e empresas) «é exemplar e deve ser replicado», assinala Carla Vale, Diretora Regional do Instituto de Emprego e Formação Profissional. «As respostas devem ser dadas conforme as necessidades e está aqui uma grande oportunidade para integrar estes ativos no mercado de trabalho, com uma perspetiva de carreira», disse.

O programa cumpre uma das políticas municipais de promoção da qualificação e aprendizagem ao longo da vida, criando e alargando oportunidades de qualificação que vão de encontro ao mercado de trabalho, medida também enquadrada no Ano Europeu das Competências (European Year of Skills), para impulsionar a competitividade, a participação e o talento.